Sonho de Paz

2018-01-15---Blog---Texto-Zelia-post

 

Estamos vivendo um tempo de extrema violência. As grades que enfeitam nossas residências e locais de trabalho são a prova testemunhal do medo que apavora as pessoas e as torna reféns em suas próprias casas. Há um clima geral de insegurança em nosso país e no mundo. Entretanto, esse clima de desânimo e descrença não é compatível com a fé cristã. Nós, que há poucos dias celebramos o nascimento de Jesus, que foi profetizado pelo profeta Isaías como “Maravilhoso Conselheiro, Deus Poderoso, Príncipe da Paz”, não podemo-nos entregar ao desespero. O que precisamos é aceitar o desafio de num mundo mergulhado em crises, disputas e lutas, crer que a Paz é possível porque nosso Deus é o Senhor da Paz.

O conceito de paz para o mundo e, de um modo geral para as pessoas, é diferente do conceito encontrado na Bíblia. Desde cedo, os profetas alertaram e o povo bíblico deduziu que a verdadeira Paz era algo bem maior que ausência de guerras e conflitos, e que o caminho para chegar a ela era o da Justiça Social: “O efeito da justiça será a Paz, a função da justiça, calma e tranquilidade perpétuas; meu povo habitará num lugar pacífico, em moradas tranquilas, em mansões sossegadas (Is 32,17-18).

Na língua hebraica, Paz é Shalom, palavra que aparece 239 vezes na Bíblia e representa muito mais que uma saudação corriqueira ou um simples cumprimento. Shalom é o desejo de vida plena, é a síntese de tudo de bom que Deus oferece ao povo quando faz aliança com ele: terra, casa, comida, saúde, educação, trabalho bem remunerado, relações sinceras e duradouras, harmonia com a natureza, com o outro, com Deus e consigo mesmo.

A Paz no conceito bíblico não provém de calmantes e exercícios de autocontrole, e independe de tempestades, sofrimentos e circunstâncias externas, mas tem origem em Deus e por isso é impossível adquiri-la afastado d´Ele. Deixo-vos a Paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo” (Jo 14,27).

Em Mateus 10,34, Jesus nos surpreende com palavras fortes e bastante estranhas à primeira vista: Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada” (Mt 10,34). Entretanto, no contexto em que foram ditas, essas palavras não sugerem um incitamento a lutas e violências, mas são uma advertência de que igual a Ele que veio trazer a bonança e a paz, mas encontrou a rejeição e a morte, também os que se comprometem com a verdadeira paz estarão sujeitos a enfrentar a espada do desprezo, do repúdio e da perseguição.

De fato, a Paz não é fácil porque ela caminha na contramão dos valores da sociedade cujos sistemas econômicos e políticos se alimentam de desamor e da injustiça. Entretanto, apesar de tudo e até contra tudo que acontece nesse nosso desvairado mundo, porque acredito naquele que a prometeu, ouso sonhar com a Paz tantas vezes anunciada e oferecida por Jesus Cristo.

Não sonho com a paz silenciosa dos cemitérios, nem com a paz nociva da masssividade e indiferença, nem também com a quietude gerada pela presença das forças armadas nas ruas ou por um sistema ditatorial que pode até garantir segurança, mas inibe a liberdade. Pensar nesse tipo de paz é pensar pequeno.

Sonho com a paz que está fundamentada na verdade, na justiça e no amor, na paz que começa no interior de cada um e cada uma de nós, porque é fruto do Espírito. É essa paz  que busco e creio que cabe de modo especial a nós, cristãos, descobrir o que ela significa e entender que ser discípulo missionário de Jesus é ser agente dessa paz à qual não se chega pela mentira, pela intolerância, pelas armas e métodos violentos, nem por acordos assinados em gabinetes ou imposição da vontade dos países mais ricos sobre os mais pobres, mas pelo combate à fome e ao desemprego, pelo acesso à saúde, educação e moradia, pela prática do perdão, da solidariedade e amor, por, enfim, um novo modo de ser e viver.

Que neste ano em que celebramos o Ano Nacional do Laicato, Maria, a mãe solícita e cuidadosa, seja nosso modelo e companheira de caminhada e nos ensine a anunciar Jesus, o Shalom do Pai.

Zélia Vianna

Sonho de Paz

Deixe uma resposta