Santo do Dia 17 de Janeiro – Santo Antão

Santo do Dia 17 de Janeiro - Santo Antao

Santo Antão

Santo Antão, o patrono dos eremitas, o monge mais ilustre da Igreja Antiga, o grande Padre do Deserto, nasceu no ano 251, em Comã, no Egito, filho de família rica e de pais cristãos. Cedo perdeu os pais que deixaram uma herança considerável para ele e para sua irmã mais nova. As palavras do Evangelho ouvidas durante uma missa, “Se queres ser perfeito, vende tudo o que tens, dá aos pobres e segue-me”, encontraram eco em seu coração. Antão resolveu abandonar tudo, retirar-se para o deserto e viver uma vida de trabalho, oração e penitência. Depois de algum tempo, fixou-se às margens do Rio Vermelho onde viveu como eremita durante 80 anos. Embora não tenha sido o pioneiro da experiência de vida no deserto, seu modo de viver teve uma repercussão enorme em toda a Igreja, e a fama de sua santidade atraiu muitas pessoas que se confiavam espiritualmente à sua direção. Sua extraordinária experiência como eremita chamou a atenção de bispos, padres e monges que o procuravam em busca de conforto e conselhos. Quando, em 311, começou a perseguição de Maximino contra os cristãos, Santo Antão saiu de sua solidão para animar e confortar os irmãos perseguidos. Terminada a perseguição, em 312, Antão retirou-se para o monte de Colzim, ou monte de Santo Antão, onde continuou a vida como eremita. Embora distante do barulho do mundo, não ficou imune às tentações, mas a todas venceu com as armas da oração e da penitência. Apesar de rigoroso e austero consigo mesmo, era compreensivo e humaníssimo com todos. Antes de morrer pediu que lhe dessem um sepultamento simples e que não revelassem a ninguém o local de seu túmulo. Morreu no dia 17 de janeiro de 356, aos 105 anos, totalmente lúcido. Em 561 seu corpo foi descoberto e transportado para Alexandria e, em 635, para Constantinopla e finalmente para a igreja de São Julião, em Arles.

Hoje santo Antão, que optou por viver no deserto não por egoísmo, nem para fugir das lutas da sociedade, mas para ouvir o próprio coração e no silêncio da oração encontrar-se com Deus, nos fala da necessidade de criarmos zonas de deserto para um encontro mais profundo com Deus. Falo de um deserto que não é necessariamente um lugar geográfico, mas sobretudo um momento de quietude interior e crescimento espiritual. Precisamos ir ao deserto, precisamos fazer deserto, porque é nesse encontro singular, pessoal e íntimo com Deus que, como Santo Antão, nós restauramos nossas forças para irmos ao encontro dos irmãos, para com eles lutarmos por mais justiça e paz.

 

VIANNA, Zélia (2005). Santidade Ontem e Hoje. Salvador: Paróquia de São Pedro

 

>> Outro Santo do Dia