Santo do Dia 16 de Fevereiro – Santo Onésimo

Santo do Dia 16 de Fevereiro - Santo Onesimo

Santo Onésimo

Santo Onésimo era escravo de Filémon, um cristão da cidade de Colossos que havia sido convertido e batizado por São Paulo. A vida de Santo Onésimo não foi, no seu início, marcada por atitudes cristãs. Ele era pagão, escravo fugitivo e, além disso um ladrão, autor de alguns furtos contra seu dono. Em Roma onde se escondeu, terminou sendo preso e, na prisão, conheceu São Paulo, que estava encarcerado por causa da perseguição aos cristãos. E é na prisão que acontece a conversão de Onésimo ao cristianismo. Quando ele foi libertado, Paulo escreveu a Filémon uma carta, recomendando-o. Essa epístola de São Paulo é aliás, o único documento que se tem da existência desse santo. Em carta repassada de autoridade e doçura, Paulo, mostrando acreditar na regeneração do ser humano, escreve a Filémon e lhe suplica pelo escravo a quem chama de “filho gerado na prisão”. Fazendo um trocadilho com a palavra Onésimo que em grego significa “útil”, Paulo lembra que ele poderá ser muito útil, tanto a Filémon como à causa do Orientes. O apelo é forte: “Envio-te a ti como se fosse meu próprio coração”. Paulo inclusive se diz disposto a pagar pelo escravo, se Filémon fizer questão de receber e termina a carta, pedindo-lhe que acolha Onésimo, não mais como servo, mas como irmão caríssimo, não apenas segundo as leis do mundo, mas também segundo as leis do Senhor. Há fortes indícios de que Onésimo tenha pregado no Oriente, em Colossos, depois na Macedônia e em Éfeso. Tudo leva a crer que ele morreu em Roma, por apedrejamento, na época do reinado do Imperador Domiciano.

Hoje, quando a escravidão mudou de forma, mas continua presente em nossa sociedade de modo muito forte e sob variados capuzes, São Paulo, com sua carta a Filémon, coloca-se numa posição inteiramente contrária à escravidão, ao tempo em que expressa uma grande fé na possibilidade de mudança das pessoas. É verdade que pessoas das mais variadas crenças ou até sem crença alguma, têm assumindo posições contrárias a qualquer tipo de escravidão, o que significa que combater a escravidão não é mérito exclusivo do cristianismo. Mas chamar de filho e de irmão caríssimo um escravo fugitivo, isso é atitude mesmo só de cristão. Crer na conversão de todas as pessoas e de que haverá maior alegria no céu por um único pecador que se converta, do que por 99 justos que não precisam de conversão, acreditar que um ladrão pode tornar-se santo, isso é coisa mesmo só de cristianismo.

 

 

VIANNA, Zélia (2005). Santidade Ontem e Hoje. Salvador: Paróquia de São Pedro

 

>> Outro Santo do Dia