Santo do Dia 16 de Agosto – São Roque

Santo do Dia 16 de Agosto - Sao Roque

São Roque

São Roque nasceu em Montpelier, França, no começo do século XIV. Aos 20 anos de idade ficou órfão de pai e mãe. Distribuiu parte de sua herança com os pobres, a outra parte entregou aos cuidados de um tio, deixou o palacete no qual havia nascido e partiu em peregrinação para Roma, com a intenção de visitar os túmulos dos apóstolos. Para chegar a Roma percorreu um longo caminho, parando nos lugares onde grassavam as epidemias, cuidando dos doentes, carregando-os nos ombros, confortando-os e ajudando-os em suas necessidades, sem o menor sinal de nojo, mas ao contrário, com muito carinho. Em Roma viveu durante bastante tempo, até o dia em que resolveu voltar à França para liquidar e dar uma destinação final a seus bens. Na viagem foi atacado pela peste e para não dar trabalho a ninguém, escondeu-se num bosque onde, segundo uma lenda, teria morrido de fome, se um cão não viesse toda manhã lamber-lhe as feridas e trazer-lhe um pedaço de pão tirado da mesa de seu dono. Certo dia, o dono do cão, intrigado com o animal que roubava com tanta regularidade um pedaço de pão, seguiu-o até a floresta onde encontrou Roque. Travou amizade com ele e ajudou-o a recuperar-se. Curado, Roque prosseguiu a viagem para Montpelier que se encontrava mergulhada numa guerra civil. Foi, contudo, tomado por espião por um dos revoltosos que o conduziu à presença do governador, que era seu próprio tio, mas que não o reconheceu, tanto ele havia mudado. Roque não se deu a conhecer e foi mandado para a prisão. Ali, esquecido e desprezado por todos, veio a falecer cinco anos depois. Segundo a tradição popular, sua avó o identificou depois de morto, por causa de um sinal de nascença, cor de vinho e em forma de cruz, que ele tinha no peito. Sofrendo de uma ferida numa perna, e tendo como companheiro constante um cão fiel, São Roque é retratado tendo ao lado, esse cão, seu amigo. Sua devoção espalhou-se sobretudo a partir das grandes epidemias que aconteceram no século XVII.

Hoje São Roque que não hesitou em abrir mão das mordomias que sua posição e fortuna podiam lhe proporcionar para ir ao encontro dos doentes, deserdados e excluídos de seu tempo, nos lembra que nós também precisamos sair. Sair de nós mesmos para ir ao encontro dos que estão sofrendo nas estradas da vida, sair de nosso comodismo para socorrer os que estão sendo abatidos pela mais cruel de todas as pestes, que é a peste do desamor e da injustiça.

 

>> Outro Santo do Dia